Nada menos que ousar ser

Padrão

NSA-tp0010209“O longo dia chega ao fim: a lua sobe lentamente: os Profundos lamentos dobram muitas vozes. Vinde, meus amigos, não é tarde para procurar um novo mundo” (Ulisses, de Tennyson).

Quando nascemos, recebemos lentes diversas: a herança genética (e pretérita), o sexo, a cultura, o nosso ambiente familiar, e todas elas influenciam nossa ideia de realidade e nossa forma de ser/estar no mundo.

Mas qual dessas lentes é central, qual delas explicaria nosso devaneio, nossa angústia, nossa sede de mudança e habilidades criativas?  Talvez, aqui, seria interessante compreender a noção de que essas lentes formam um “contexto” multifacetado, que oferece muitos recursos que nos conduzem, ou nos impedem, para lugares cada vez mais amplos em nossa experiência.

Mas, ao mesmo tempo em que é sabido que as crianças são guardiãs de dimensões elevadas, com pouca frequência nos lembramos que a saída da infância é um requisito necessário para o crescimento. E, como o reino da psique não se curva ao tempo cronológico (Khrónos), isso não altera o fato de que o que está no começo está presente o tempo todo, servindo como o impulso para a realização do Si-mesmo, segundo o auxílio de nossas forças vitais.

Jean-Yves Leloup afirma que há um desvio de percurso quando “não podemos impedir a nós mesmos de fazer o que o programa parental nos dita”. Trata-se, nesse caso, de ficar prisioneiro dos padrões sociofamiliares e, por razões diversas, passar a temer a escuta do desejo mais íntimo, vivendo uma existência traída, imposta (não-escolhida), distorcida.

Como o ser humano é um vasto projeto,  a pessoa evolui se desejar e à medida que trilhar o caminho da individuação. Para isso, há que resistir à normose, enfrentar os medos, fazer render seus talentos e intuir, serenamente, que estamos vivos para ser.

Transgredir os limites que nos asfixiam é uma tarefa que chama o herói e a heroína de nosso coração. Isso tende a facilitar os processos que nos ajudarão a nos tornar aquilo que trazemos em semente e latências (o vir-a-ser).  Até porque diz uma antiga profecia hopi: “nós somos aqueles que estamos esperando”…

Uma boa pergunta: “o que tenho a fazer na vida que é intransferível?” E outra fecunda pergunta para cada um de nós: “qual é a forma única através da qual a Clara Luz, a Inteligência Cósmica, se manifesta em mim?”

O caminho da individuação é uma tarefa inelutável. Mas, é importante recordar que o tornar-se diferenciado (liberto do “comportamento de ovelha”) é distinto do impessoal ou do narcísico… O itinerário da diferenciação está estreitamente ligado a uma abertura que faz com que a pessoa se transcenda a si mesma para expandir-se em outras dimensões –  e, sem fugas ou lamentos, ela poderá, de forma multifacetada, única-e-criativa, manifestar a vida e co-criar o bem e o belo no mundo.

Eugênia Pickina – Palavra Terra

Anúncios

Escreva seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s