Abelardo e Heloísa – um amor Bleeding Heart

Padrão

20120906-155032.jpg

Qualquer pessoa se comove com a história de Abelardo e Heloísa, consumidos por um amor celebrado por diversos poetas e romancistas.
Eles viveram no século XII e a história se desenrola em torno de 1117, quando Pedro Abelardo, um respeitado filósofo/professor, convence o tio de Heloísa a se tornar o tutor dela. Abelardo tinha 37 anos e Heloísa 17. Ele havia se encantado pela beleza da moça e sido cativado por sua inteligência ímpar.Abelardo e Heloísa se apaixonaram – um encontro de almas gêmeas – “almas com igual comprimento de onda”, diriam os poetas-quânticos…
Desfrutaram, por um tempo, seu amor às escondidas. Mas o tio Fulbert tudo descobriu e, sentido-se traído, expulsou Abelardo de sua casa.
Continuaram os dois apaixonados a se encontrar, pois não podiam escapar ao que sentiam; e até descobrirem que Heloísa estava grávida. Abelardo, então, a raptou e a levou para casa de sua irmã, na Bretanha, onde ela deu à luz um menino, Astrolábio.
Abelardo procurou se redimir perante o tio de sua amada, casando-se com Heloísa, mas em segredo. Ele assim decidiu para evitar que sua carreira de professor e clérigo fosse afetada. Neste propósito, ele pediu a Heloísa que fosse para um convento e tomasse o véu de noviça para disfarçar (e ocultar) o casamento. Fulbert, no entanto, interpretou mal o fato e julgou que Abelardo abandonara a sobrinha e assim mandou castrá-lo. Diante da desgraça, Abelardo fugiu e Heloísa continuou confinada no convento.
Depois de ambos assumirem os votos como padre e freira, passaram muitos anos sem se ver, até que uma carta de Abelardo, dirigida a um amigo, caiu nas mãos de Heloísa e ela resolveu responder ao amado. Daí os dois passaram a escrever sobre o que lhes acontecera 15 anos antes. Nestas trocas apaixonadas e sofridas, Heloísa expressou a Abelardo todo seu amor ainda vivo e ele respondeu que este amor foi transformado na melhor forma de servir a Deus para os dois (*cf. Correspondência de Abelardo e Heloísa. SP: Martins Fontes, 2003).
Abelardo morreu vinte anos antes de Heloísa e foi enterrado no Paracleto, onde ela era abadessa. Ela pediu para ser enterrada junto dele, em 1163. Ambos morreram com a mesma idade, 63 anos.
Diz a lenda que ao ser enterrada, Abelardo abriu os braços para receber a amada Heloísa – uma metáfora para um amor Bleeding Heart…
Não tem como não se emocionar ao considerar, sentir, imaginar, a intensidade do amor destes dois seres…
Assim, a Bleeding Heart (Flower Essence Society – Florais da Califórnia) cuida dos lugares internos nos quais experiências afetivas causaram dor e cicatriza os corações partidos, quando em fase de luto ou no término das relações afetivas. Age sobre o chakra cardíaco e facilita o processo, doloroso, da aceitação das perdas. Ela é indicada para todos aqueles que sofrem a dor da perda ou a separação de um grande amor.
Sem dúvida, a Bleeding Heart teria sido um bálsamo para o coração partido de Heloísa…

Eugênia Pickina

Anúncios

Sobre Eugênia Pickina

Este blog surgiu de uma necessidade criativa, muito ligada ao desejo de partilhar experiências e perguntas, mas algo independente de prazos ou de Krónos. Pertenci, anos atrás, ao mundo acadêmico (professora de Filosofia do Direito). Mas um dia fui capturada pela terapia floral e hoje procuro me dedicar às práticas de educadora e jardinista (gosto de sugerir essências para crianças, mães/pais, e mesmo todo ser humano que precise de cuidados florais... Atendo também projetos sociais implicados com crianças e famílias disfuncionais/em risco. Para finalizar, porque senão isso fica muito longo, adoro literatura e fotografia e tudo que nos impulsione a viver vivos, levando a sério o fato de estarmos aqui para "mais um dia de colégio"...

»

  1. Eugênia, querida, não posso deixar de lembrar aqui que a “aventura epistolar” entre ambos, se enriquece pelas diferentes formas com que encararam sua “paixão mutilada”, assim como você nos enriquece ao associar esse sofrimento à possibilidade de resiliência que os florais nos oferecem. Beijo e obrigada sempre. Suzete.

    • Querida, obrigada pelo seu delicado comentário, que tanto complementa como enriquece nossas escritas e tentativas de compartilhar, com humildade, a disseminação das essências florais e suas bênçãos. E, particularmente, sempre fui tocado pelo amor de Abelardo e Heloísa e a história de dor que enlaça a ambos. Grata por sua participação neste Blog querido.

Escreva seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s