Baby Blue Eyes – um resgate do prelúdio da vida

Padrão

20120916-155947.jpg

No contexto da psique, o princípio solar (ou yang) é estruturado a partir da relação e do convívio com as figuras masculinas durante o trânsito da infância. Em outras palavras, a formação deste princípio depende do relacionamento desenvolvido entre a criança e o pai (ou seu representante – padrasto, avô, tio etc.).
Desse modo, se no prelúdio de nossa existência fomos amados e apoiados pelo nosso pai, certamente nos sentiremos seguros e disponíveis para experimentar o mundo, encarando os desafios diários com coragem, segundo uma base interna de confiança.Por outro lado, se tivemos um pai que nos decepcionou ou nos feriu, mesmo por causas diversas, teremos dificuldade de assumir uma postura receptiva e estável perante a vida e a sociedade.
Geralmente, para a mulher, uma experiência traumática com o pai na infância, impressa no inconsciente, orientará a constituição de um animus frágil e negativo. Isso influenciará tanto suas perspectivas pessoais (trabalho, carreira) como guiará suas escolhas amorosas (o que explica, por exemplo, filhas que tiveram pais violentos “escolherem” maridos também violentos…).
Já para o homem, e de maneira muito mais visível, a natureza (positiva ou negativa) da relação com a figura paterna se refletirá nas posturas e atitudes adotadas perante a vida, determinando seu comportamento familiar e sua ação no mundo. Desse modo, filhos que foram feridos pelos seus pais, naturalmente se inclinam a ferir seus filhos, caso não busquem a cura de suas feridas saturninas.
No trabalho da clínica floral, muitos homens e mulheres se queixam da figura paterna, seja por ausência, abandono, maus tratos ou abuso.
Em todos os casos, a Baby Blue Eyes (Flower Essence Society – Florais da Califórnia) auxilia homens e mulheres que não receberam apoio emocional do pai na infância, curando as feridas profundas da alma a partir da reconexão do eu inferior (ego) com o Eu Superior (Self), o que possibilita o resgate da confiança no Pai interno e a reconfiguração do princípio masculino.
Oriunda do estado da Califórnia e do sul do Oregon, a Baby Blue Eyes pertence à família das Hidrofiláceas, cuja característica peculiar é a grande afinidade pela água. Ademais, a umidade do solo é um requisito básico para o crescimento desta espécie.
Assim esta afinidade da planta pelo elemento água é transferida ao ser humano através da essência floral. Com isso, a Baby Blue Eyes “umedece” o indivíduo, ou seja, torna-o fecundo e emocionalmente receptivo para a vida.
Ainda, a água é o elemento essencial para as condições de vida no planeta. Vida, consequentemente, é sinônimo de vitalidade, criatividade, amor. Por isso, as pessoas que precisam desta essência floral geralmente se encontram enredados em temas (auto)destrutivos, pois, num nível profundo e devido a uma experiência de pai inicial negativa, cresceram à mercê de uma frequência emocional instável e insegura. Logo, essas pessoas orientam-se e agem no mundo de forma desconfiada, nutrindo, em relação aos demais, uma atitude defensiva ou revoltada. Muitos ainda se tornam cínicos, descrentes e endurecidos.
Ainda, o azul desta flor singela alude ao reino do espírito, fazendo-nos recordar que a capacidade criativa do ser humano diz respeito ao seu legado divino e à sua condição luminosa de co-criador. Assim a Baby Blue Eyes promove também o entendimento sutil de que todas as criaturas são solidariamente assistidas e amparadas por uma Consciência Maior.
Infelizmente, em nossa época, mais e mais pessoas sofrem de solidão, pois se sentem apartadas do Plano Espiritual. Também para elas, a Baby Blue Eyes, à medida que cura a inocência maculada, ajuda o aflorar da fé em uma Divindade maior, ou seja, restaura no indivíduo a conexão com o “deus-homem interior” (Jung) e, em consequência, a certeza de que cada um de nós possui suporte espiritual, pois Universo, Ser Humano e Natureza são um só…
Saudações!
Eugênia Pickina

Anúncios

Sobre Eugênia Pickina

Este blog surgiu de uma necessidade criativa, muito ligada ao desejo de partilhar experiências e perguntas, mas algo independente de prazos ou de Krónos. Pertenci, anos atrás, ao mundo acadêmico (professora de Filosofia do Direito). Mas um dia fui capturada pela terapia floral e hoje procuro me dedicar às práticas de educadora e jardinista (gosto de sugerir essências para crianças, mães/pais, e mesmo todo ser humano que precise de cuidados florais... Atendo também projetos sociais implicados com crianças e famílias disfuncionais/em risco. Para finalizar, porque senão isso fica muito longo, adoro literatura e fotografia e tudo que nos impulsione a viver vivos, levando a sério o fato de estarmos aqui para "mais um dia de colégio"...

Escreva seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s