Passagem

Padrão

20130424-153507.jpg

Estive em silêncio.
Há pessoas que quando se sentem mal a criatividade simplesmente cessa e se cala e, atrevida, nega-se a contar ou expressar palavra, senão o silêncio. “Funciono” desse modo, pertenço aos tipos que deixam de ouvir as vozes interiores quando a vida, no lá fora, se torna fria e dura.
As poucos, no entanto, uma certa “ordem” se avizinha. Não a “ordem” típica ao dever, mas a “ordem” que se segue ao caos e toda a névoa que lhe segue, cegando-nos e/ou sangrando-nos.
A vida é longa, já penso assim. E cedo ou tarde os impasses conhecem um fim. E não que tenhamos qualquer controle sobre isso.
Digo aos amigos que simplesmente aprendi a aceitar a não-linearidade de alguns caminhos. Somos o que somos ainda que nos esforcemos para sermos melhores…
O sentido principal, talvez, resida no árduo objetivo: fazer-se melhor, mas sem negar as próprias imperfeições, incertezas, ou seja, nosso lado “maldoso/feio” e, apesar disso, querer seguir apostando no nosso lado “bondoso/belo”, até porque não consigo dissociar maldade-feiúra e bondade-beleza…
Ferir alguém, física e/ou emocionalmente, é sempre um ato carregado de maldade e de feiúra…
Já a gentileza, a doçura, a compaixão são virtudes que nos revelam pessoas válidas eticamente e mais bonitas. Dá para negar isso?
Andei e ando triste. Profundamente, mas quiçá a vida tome novo rumo. E isso vai passar.
O importante é estar aqui e no agora desejar a tod@s bênçãos e alegrias. Um feliz final de abril, um cálido outono, estação que nos apronta para o inverno e um bom café seguido de torta de maçãs.

Un beso. Cariños.
Eugênia

Anúncios

Sobre Eugênia Pickina

Este blog surgiu de uma necessidade criativa, muito ligada ao desejo de partilhar experiências e perguntas, mas algo independente de prazos ou de Krónos. Pertenci, anos atrás, ao mundo acadêmico (professora de Filosofia do Direito). Mas um dia fui capturada pela terapia floral e hoje procuro me dedicar às práticas de educadora e jardinista (gosto de sugerir essências para crianças, mães/pais, e mesmo todo ser humano que precise de cuidados florais... Atendo também projetos sociais implicados com crianças e famílias disfuncionais/em risco. Para finalizar, porque senão isso fica muito longo, adoro literatura e fotografia e tudo que nos impulsione a viver vivos, levando a sério o fato de estarmos aqui para "mais um dia de colégio"...

»

  1. “Se, ao acordar, posso escolher uma roupa,
    posso escolher também o sentimento
    que vai vestir meu dia.
    Se, no percurso, posso errar o caminho
    posso também escolher a paisagem
    que vai vestir meus olhos.
    A mesma articulação que tenho para reclamar,
    tenho para agradecer.
    E, se posso me adornar com a alegria,
    não é a tristeza que eu vou tecer.
    Que hoje e sempre, seja mais UM BELO DIA”!
    Marla de Queiroz

    DELIBERE SUA ALEGRIA. ISSO NÃO RESOLVE TUDO, MAS, COM CERTEZA, É BEM MAIS PRODUTIVO QUE ALIMENTAR A TRISTEZA E DEIXÁ-LA INSTALADA SEM PRAZO PARA PARA DAR O FORA.
    BEIJO, ANA

      • Você já falou tanta coisa que eu precisava ouvir exatamente naquele momento… Eu que agradeço!

Escreva seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s