Arquivo da categoria: Passageiro

Momentos e atitudes inconscientes – vamos mudar?

Padrão

positive thinkingSim, somos todos seres em evolução, caminhantes e aprendizes de um viver melhor com o outros e – principalmente – nós mesmos. É natural que ainda erremos, mas deve ser ainda mais natural a forma com que aprendemos com os erros e voltamos à quadra quântica. Voltar é necessário.

Quantos de nós ainda não sai do prumo, baixa a frequência, desconecta-se? Com isso quero dizer aquelas atitudes que podem – no começo – passarem despercebidas, como uma posição raivosa logo ao acordar, irritando-se com tudo, desde o passarinho que deixou a sua marca na varanda, o café que respingou na roupa e as notícias “deliciosas” do jornal (que servirão, inclusive, para alimentar esta raiva e seu processo degenerativo ao longo do dia). Não podemos deixar de lado o pessimismo atrator de mais pessimismo. Não, a tal estória do “o segredo” não é bobagem (aos menos na sua estrutura essencial), e os princípios lá discutidos têm plena aplicação no nosso cotidiano, basta prestar atenção. Uma reclamação gera energia para uma segunda reclamação. Um julgamento, dá espaço para mais um julgamento… e quando vemos, lá se foi o bom humor e muitas palavras sobre a vida dos outros, o que deviam e não deviam fazer, etc., etc.

Leia o resto deste artigo:

Transitório e Confiança

Padrão

passageiro

Ontem estávamos revendo o filme Sete anos no Tibete (1997), de Jean-Jacques Annaud (“O Nome da Rosa”), baseado no livro de Heinrich Harrer (personagem principal da estória). O que mais me impressionou no filme, afora a fotografia estampada pela beleza das montanhas da região, é o princípio de transitoriedade que permeia a filosofia budista.

Em vários momentos do filme isso fica claro, como quando da presença dos generais chineses na cidade sagrada de Lhasa, os monumentos dos deuses haviam sido feitos em manteiga, que ia derretendo, para demonstrar que tudo é passageiro, momentâneo. Além de fazer-nos perceber a passagem de tudo, constitui uma grande lição de desapego.

E é esse momentum que esquecemos no nosso dia-a-dia. Quando os problemas se apresentam, são eternos, infindáveis, de dureza irrestrita. Já nossa perspectiva sobre a felicidade é temerária, sentimos em expressá-la sob pena de perder o seu efeito, de acabar logo ou alguém derrubá-la, roubá-la, etc.

Quanto da cultura ocidental ainda trafega de ponta-cabeça nas nossa próprias mentes!

Contudo, é preciso destacar, isso já vem sido mudado e discutido há algum tempo, e hoje a consciência sobre o assunto já é indício de que possamos – facilmente – mudar a trajetória que vimos aplicando no nosso caminhar no Universo.

Eu gosto de acreditar no sentido de que somos co-criadores e de que podemos, a qualquer momento, inverter a polaridade do negativo-positivo para positivo-positivo (aplicada ao exemplo acima). O que quero dizer com isso é a necessidade de aplicação do conceito de devir, de mudança, do vir-a-ser sobre a nossa estrutura de viver a vida.

Uma das outras expressões do filme diz respeito à inutilidade da preocupação. O criador não deseja que nos preocupemos. “Preocupar-se para que? Se o problema tiver solução, nós iremos encontrá-la; e se não tiver solução, também não precisa se preocupar, porque não iremos encontrá-la” (Dalai Lama).

Concordo com Bombonato Jr (link*este link estava quebrado, por isso transmito o trecho do cache do Google). “A preocupação vem da incerteza de que o melhor irá acontecer, assim como esta incerteza vem da falta de confiança na vida, em Deus, nas Leis Universais que governam nossas vidas e, sobretudo, da falta de confiança em nós mesmos”.

A felicidade pode ser vivida desde já e, mesmo que temporal, que se estenda ao longo do momentos difíceis (que são, na verdade, lições para um melhor caminhar, que nos levam a mudanças, como aquelas ocorridas com o personagem Heinrich no filme). E crer na força do positivo, que se multiplica ao infinito, é um sentimento que traz inexplicável tranquilidade para o espírito. É a confiança plena que somos cuidados que altera essa visão limitada do nosso ser a afasta-nos da energia do medo (vale a pena a leitura deste texto).

Por fim, vale a pena relembrar que o Dalai Lama é o líder espiritual e temporal do povo do Tibete. Não é belo isso?

Saudações.

Marcos Pickina – spagbas.

Intróito

Padrão

musical notesGosto de pensar a vida na sua forma de passagem, pela própria efemeridade dos seus arredores e da forma como vamos alterando o nosso olhar ao longo da estrada. Semente passageira que somos, aprendemos a coletar os frutos (informações) necessários que nos ajudarão a enfrentar a força da chuva e do vento (lições e experiências inerentes ao caminho).

Entre as diversas ferramentas apresentadas, temos a homeopatia e a música. Uma distinta da outra, mas ambas reflexoras de comprimentos de onda que produzem excelentes estímulos (ambas são emissoras de energia), que podem, e muito, auxiliar no caminhar terreno. Uma boa música produz um bom resultado. Um bom tratamento homeopático é libertador.

Atualmente, tenho focado em entonações musicais mais leves e construtivas, mas também passei pelos períodos dos diversos sons, dos pesados aos batucados. Aos poucos, fui prestando um pouco mais de atenção nos significados dos conteúdos emitidos e em meu padrão vibratório.

Nem sempre estamos dispostos ao tocar da música erudita que, assim como a pintura e outras artes, pode apresentar conteúdos densos e confusos, dependendo do compositor ou intérprete escolhido. Por isso, é necessário ater-se àquelas que traduzem um bom sentimento de harmonia e tranquilidade.

Aliás, é preciso deixar claro. Não é só a musica clássica que provoca bons fluidos. Muitos álbuns destinados à prática de Reiki possuem compostos harmônicos incríveis, que podem, por si só, auxiliar na cura (processo inconsciente) dos seus ouvintes.

Minha proposta, enquanto passageiro desta Terra bendita, é, precipuamente, trazer algumas singelas impressões, segundo os meus conteúdos e perspectivas, das passagens musicais que tiver acesso e que podem, certamente, auxiliar na transformação e transmutação de nós todos.

Saudações!

Marcos Pickina