brilho-eterno03t

Leitura psicológica

Tema: Relacionamento
Subtemas: Separação, Rupturas, Amor, Esquecimento
O filme traz uma reflexão sobre relacionamentos de uma forma original. Demonstra que existe algo mais do que a atração das pessoas a partir de suas neuroses e situações emocionais inacabadas de sua história pessoal. (Teoria esta que nega ou questiona a existência do sentimento do amor entre as pessoas, insinuando que os relacionamentos são apenas um atendimento de nossas necessidades psicológicas, sociais ou instintivas).

Traz a existência do amor além destas necessidades.
Teoriza que, mesmo esquecendo do passado e de nossas lembranças, somos atraídos para as mesmas pessoas e pelo que elas potencialmente despertam em nós.

Nosso brilho pessoal muitas vezes se encontra soterrado em nosso íntimo por inúmeras razões. E é necessário o outro para despertar em nós o nosso melhor e o nosso pior (o segundo para termos a chance de transformá-lo).

Como um espelho, o outro (geralmente o oposto) reflete para nós nossas dificuldades e aquilo que negamos e ocultamos em nós. Esta proximidade traz a princípio o encantamento (fase da paixão), período em que a diferença nos encanta e nos desafia. Com o tempo esta mesma diferença traz a frustração, o cansaço e o incomodo a ponto de até odiarmos o outro. Ódio este que não necessariamente significa perda de amor, mas o incômodo porque as coisas não são como desejaríamos que fossem e é mais uma revolta decorrente de uma desilusão, de uma idealização que fizemos do outro.

Nesta hora relembrar dos bons momentos ajuda, já que a desilusão só nos mostra os ruins. E aceitar o bom e o ruim no outro, como partes integrantes da mesma pessoa, nos permite valorizar o sentimento existente e retornarmos à relação numa direção mais madura e construtiva sobre novas bases.

É nesse ponto que muitos relacionamentos terminam, onde as mágoas distanciam o casal a tal ponto que se perde o caminho de volta.

O filme nos traz uma reflexão: Há um brilho eterno na alma humana que possibilita os relacionamentos de uma forma significativa e profunda, além das forças de atração psicológicas das lembranças.

Será que estamos dispostos a segui-lo?

Por Flávio Vervloet

»

  1. Ontem finalmente eu consegui ver todo este filme. Muito bacana o fato de os “destinos” mesmo que com memórias apagadas, no real se reencontrarem sempre, uma catarze para a coisa do não vou viver mais isso e…estou sempre vivendo isso.

    • Oi Luane,
      Parece que você também gosta muito desse filme.
      Agradeço a participação,
      Abçs,
      Flávio

Escreva seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s